Quero ver Irene rir. Quero ver Irene dar sua risada.
   



BRASIL, Nordeste, NATAL, Mulher
border=0
 
   Arquivos

 
border=0
Outros sites

 O blog do Zurélio
 Meu Fotolog
 Banheiro Feminino
 Redatora de merda
 Contos Bregas.
 Lesma de Sofá
 Fernanda Mello
 Olhos Caramelos
 Textos do Carlos Fialho
 Blog Do Bruno Mazzeo


Votação
Dê uma nota para meu blog



border=0
 


O pedreiro e seu galope

Vou descrever uma cena típica de toda espécie feminina humana:

A criatura sai da sua casa com a roupa menos atraente, meio de mau-humor, com vontade de se embebedar com a primeira garrafa de coca-cola que encontrar pelo caminho. Sim, isso se chama TPM, e eu quero relembrá-los de uma coisa: “Se você não quer uma mulher com TPM, vá comer um macho, porra.”

Voltando ao assunto...

Sim, a mulher quando está nesses dias, que só Deus as entende e o resto do mundo quer jogar na primeira fogueira que aparecer, ela não quer saber de você, querido e bom homem. Claro que ela não quer saber de você. Ela quer saber dela, da dor dela, das fantasias e frescuras dela. Não de você, seu patético que se intitula “entendedor de mulheres”. Nem nós nos entendemos (mentira!), imagine você e esse seu pênis que serve de enfeite de cueca. Nos poupe.

A propósito, havia esquecido o enredo da história por, TAMBÉM, estar de TPM.

Pois bem, a criatura que não quer ser desejada hoje, sai de sua querida e linda casinha para a tal “compra suicida”, aquela coca-cola que mencionei no início do texto. Enfim, na volta, com o líquido precioso nas mãos e descendo pela garganta, damos de cara com uma construção, mas algo nos diz: “ande rápido. Rápido, criatura.”, mas é tarde; você ouve o que menos quer ouvir naquele momento. A famosa “cantada”, “piada de pedreiro”, ou melhor, “desespero de pedreiro”.

E tudo isso vem com a melodia mais animadinha do samba: “ô coisinha tão bonitinha do pai”.

Puta merda. Sinceramente, quando a gente mata um bando de desocupados (pararam de trabalhar pra olhar uma bunda passando? DESOCUPADOS!) assim, a Lei ainda vem com um papo de amparar.

Me nego a lembrar do que respondi no momento que isso aconteceu (sim, aconteceu comigo), se bem que todos começaram a rir (porque homem não presta mesmo) e por fim, mandei um belo cotoco.

Gente, é NORMAL ficarmos revoltadas com essa atitude. E quem vier com aquela história de que “se você quer saber se alguém ainda quer te comer, passe em frente a uma construção”, eu sou capaz de enfiar a mão na cara. ISSO É LENDA! Quando que, uma mulher em sã consciência, vai querer ser desejada por um bando de homens que cantam o “créu” pra ver se a mulher da uma animadinha? Me desculpem as que “gostam” disso (é, tem uma rara espécie de mulheres que gostam dessa baixaria), mas vá catar coquinho quem pensa que isso é erótico. No mínimo é suicídio social e morte ao ego.

Não. Definitivamente, não é o fato de eu estar com TPM exposta (eita, lêlê) que eu vou odiar uma atitude daquela. É porque aquilo ali é imoral. E você está lá, toda arrumada ou não e vem um ser, sabe-se lá de onde,  com aqueles assobios, aquela palavra medonha parecendo que saiu da boca de um cachorro quando viu uma carne no lixão: “GOSTOSA”.

É de meter nojo até na Rita Cadilac, Leila Lopes e credenciadas, meu bem.

Nós já sabemos de tudo isso. Juro que sabemos. E nem precisamos de uma torcida do Vasco pra dizer que somos gostosas. Não precisamos do gari, do ceguinho, do tortinho, do vendedor de grampos pra cabelo, e muito menos, do cara que tem o carrão. Se vocês soubessem como aborrece esse negócio de buzina. Desespero não combina com cantada.

ENTENDAM ISSO, PELO AMOR DE DEUS!

Estou falando do fato de vocês serem inconvenientes, enxeridos, devassos e mais outros adjetivos que nem lembro agora.

Vocês acham mesmo que depois de uma frase torta no meio da rua, veja bem, no-meio-da-rua, nós vamos agradecer pelo “elogio”?

Acham mesmo que vamos correr na direção de vocês e lhes dar o número de telefone? Fui até gentil com essa historia do telefone, porque a grande maioria, não tem nem dinheiro pra colocar um crédito no celular. O negócio deve funcionar ali mesmo. Eles pediriam uma “trepadinha” num “buraco da construção”. QUE ÓDIO!

Eu fico puta da vida e enojada com a falta de consideração de vocês. E quando eu falo “vocês”, eu digo para os homens que têm amigos ou conhecidos que fazem esse tipo de palhaçada. As vezes nem se conhecem, mas sabem-se lá.

Nossas bundas, nossas pernas, nossos cabelos, sorrisos e barriguinhas não são artistas de palco. As mulheres podem até gostar de ser elogiadas, mas não gostamos NENHUM POUCO dos brutos que encontramos a cada esquina.

Pra você ter uma idéia do que eu to falando, eu já ouvi (e daria tudo pra não ter ouvido) uma frase tão infeliz que até hoje penso nessa droga: “Meu amor, você não anda, você galopa”.

GALOPA? GA-LO-PA?

Quem galopa é a pobre égua da tua mãe, que não pensou direito ao parir você, SEU JUMENTO. (enfim, égua não pare jumento, mas aqui vale tudo).

Sério, eu to revoltada com isso. Tão revoltada por mim e por todas.

Mas não pense que eu sou bonita, não. Nem chego perto de ser. E tenho muita pena das mulheres maravilhosas, daquelas, estilo comercial de perfume importado, sabe? Aquela deusa que até nós mulheres paramos para olhar. Dessas, sim, eu tenho pena. Eu que sou feinha já sofro, imagine aquelas lá.

Enfim, homem é um bicho que deveria parar de dizer que é superior. A cada dia que passa, eles vão e voltam das cavernas. Só faltam dar com um porrete nas nossas cabeças pra mostrarem algum interesse.

HOMENS!

 

 

 

 

Sacanagem!



Escrito por Naiane Feitoza às 20h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
border=0